sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Comunicando o quê? Resp: O que eles não comunicam.



Comunicando o quê?
Resp: O que eles não comunicam.








                       Uma das ações que buscam melhorar a comunicação institucional em nossa Universidade pode ser observada diariamente pelos que estudam, trabalham ou visitam os campi da Betânia, Junco, Derby e CIDAO. O Diretório Central dos Estudantes denuncia, por meio de várias ações, os vários atos ocorridos e que irão ocorrer em nossa Universidade. Um exemplo disso e a escolha do novo Reitor que se dará nas férias, embora não exista divulgação alguma sobre tal processo. Então, respeitando o princípio de comunicação pública, de que a informação é um direito de todos, resolvemos informar que, a maior parte da comunidade acadêmica da UEVA não irá participar do processo de escolha do(a) Reitor(a) e Vice-Reitor(a), dos próximos quatro anos.
                        Para facilitar a divulgação, confeccionamos vários materiais adesivos, faixas e cartazes sobre o descaso que ocorrerá conosco, porém onde e como utilizá-los não podemos controlar, já que, fazem parte da nossa Coordenação de Comunicação e Marketing Institucional cerca de 7500 estudantes espalhados por vários campi, assim como professores e funcionários. Dessa forma, sabemos sim como utilizar os novos murais, que são veículos de comunicação para ordenar as ações de comunicação não só do Diretório Central dos Estudantes, sendo estas destinadas a todos.
                        Entendemos muito sobre a boa comunicação e sobre saber comunicar de forma que a mensagem consiga chegar ao público, assim, tudo concorre para o bom andamento das ações destinadas ao público que representamos. O Diretório Central dos Estudantes jamais negará ou omitirá informações, pois o corpo representativo dos estudantes, no DCE, se faz de verdadeiros representantes, e não de farsistas. Nosso papel é levantar questionamentos, fazer a comunidade acadêmica pensar e ver que a melhor maneira de conseguirmos nossos objetivos é através da democracia em nossa Universidade. Com um regime democrático, apresentaremos propostas das mais variadas possíveis e participaremos de forma ativa da nossa graduação. As mudanças só ocorrem quando a sociedade civil se mobiliza, então, nosso papel é mobilizar os estudantes.
                       Continuaremos informando os estudantes, promovendo a cultura do verdadeiro esclarecimento, já que os meios de comunicação de nossa UEVA não o fazem, fato claro deixado pelo “Editorial Folha da UVA”, que não traz os reais problemas do nosso cotidiano universitário, sendo, dessa forma, antidemocrático. Lamentavelmente, um mau exemplo de vandalismo e de desrespeito ao nosso principal patrimônio, a educação, surge dos nossos governantes e administradores públicos, pois o que se observa nos últimos séculos é o descaso destes com relação à educação. Infelizmente, da forma como nos encontramos, não temos condições de continuar, exemplo claro disso e o curso de Engenharia Civil de nossa Universidade, com apenas três professores efetivos (não vamos continuar com os casos, a lista é muito longa e o texto vai ficar cansativo, seguiremos com o nosso real objetivo).
            Por isso, repudiamos a posição do “Editorial Folha da UVA”, pois não entendemos como um setor de nossa Universidade tenta fazer com que os estudantes se voltem contra a entidade que os representa. A conclusão que tiramos é que o editor-chefe de tal jornal desrespeita toda a comunidade acadêmica e esquece o real motivo das mobilizações denominadas de “DIRETAS JÀ NA UEVA”, não abordando, na edição de 12 de novembro de 2009, o conteúdo dos materiais questionados e as ações que o Diretório Central dos Estudantes já havia realizado. Será que estão querendo nos confundir?
                        Sabemos do muito que foi feito em nossa Universidade para melhorar as condições de ensino, mas não devemos nos acomodar. Infra-estrutura desfaz-se (fachadas e praças), porém a qualidade do ensino fica. Por isso, salientamos que, o que querem comunicar os representantes estudantis, eleitos por seus colegas, é o desrespeito à comunidade acadêmica, que é privada de fazer suas próprias escolhas. A qualidade de uma educação democrática poderia, de forma clara, reflexiva e envolvente nos despertar todos os dias para um mundo novo e desconhecido, todavia esse tipo de educação é excluído. Percebemos isso na posição do  “Editorial Folha da UVA” que não observa a incoerência do texto editado, e expõe  uma mensagem nada subliminar,  a de um vácuo na administração pública como um todo, tanto dentro, como fora da nossa UEVA, demonstrando sua fragilidade, quando este deveria ser algo construtivo para a sociedade brasileira e principalmente cearense.
                        Após análises e reflexões, concluímos: “Quem diz que devemos ter educação pública, gratuita, democrática e de qualidade não somos nós do DCE, é a constituição brasileira, só queremos garantir a validade da legislação, cobrando por nossos direitos e exercendo nossos deveres, ou será errado querer sair da universidade com uma boa formação? Vandalismo é cortar várias árvores, como está acontecendo na Betânia, um verdadeiro desrespeito a um patrimônio que implica na nossa vida, por isso “DIRETAS JÁ NA UEVA”.                          


Qual real Interesse?





Qual o real interesse? hein !?














     Lendo e analisando, a “Folha da Uva” de nº 13 – Ano VI, publicada em 12 de novembro, tomei um grande susto com o quê estava escrito na página 02, sobre uma tal “depredação” e “pichação” que o DCE vinha realizando no patrimônio público. Veio ao meu pensamento o que esse editor entende por pichação e depredação, mas vi que essas palavras são bastante maliciosas, e foram apenas utilizadas para denegrir a imagem do verdadeiro sentido empreitado nos adesivos. E ainda afirmar que o DCE colocou os adesivos. É fato que esses adesivos foram idealizados pelo DCE e SINDIUVA, mas isso não é suficiente para tal afirmação, pois qual é a certeza que o editor/assessor de Comunicação e Marketing Institucional tem? Já que esses adesivos foram e são distribuídos para diversas pessoas, onde essas pessoas são livres para fazer o que quiserem com eles.
     Acreditamos que os meios de comunicações devem ser zelados, e melhores aproveitados, não falo das placas (que por sinal custaram muito caro, antes deixasse as antigas de metal e comprasse livros, enfim...) e sim do próprio jornal. Durante o mês de outubro houve várias manifestações e assembléias ocorrendo em diversos centros da UEVA, na busca da democracia, igualdade, e liberdade de escolha (aos cargos de reitor, diretores de centros e coordenadores de cursos), bem, a “folha da uva” não fez nenhum depoimento a respeito, “por quê” será? E agora, ridiculamente vem questionar o “desrespeito com o bem em comum”. Saiba que o nosso interesse é a busca por uma Universidade democrática, a favor da liberdade de expressão, a favor da igualdade, com um ensino de qualidade. E essa luta é o “bem em comum”, pois assim todos serão beneficiados com o direito de escolha e direcionamento desta Universidade.
     E como podem falar de incoerência, pois se existe incoerência, ela está nesse jornal, pois, se fossem coerentes publicariam as manifestações, assembléias, o real significado dos adesivos, a ausência e defasagem do acervo de nossas bibliotecas, o ato de nepotismo (esse você enalteceu) presente na Universidade, o antidemocrático processo eletivo aos cargos administrativos, o dinheiro arrecadado através dos institutos tendendo a privatização de nossa universidade pública, enfim, esse problemas que precisam ser debatidos e informado para construção de uma universidade pública melhor, o seu mero jornal não faz.
     O real sentido dos adesivos e faixas são mostrar a verdadeira incoerência e o alto autoritarismo vivo nesta Universidade (UEVA!), e damos ênfase à necessidade de um processo democrático para eleição de cargos administrativos (DIRETAS JÁ!). Agora, entra em questionamento qual real sentido desse artigo? Será denegrir a imagem do DCE (que vem empreitado essa luta)? Proibir a denuncia sobre a necessidade do um processo democrático nessa Universidade?
Infelizmente, contamos novamente com a falta de ética, desde a colocação de palavras, tais como “depredação” e “pichação” em tons pejorativos até a falta de denúncias sobre os problemas da UEVA (que deve receber maiores considerações). Acredito, que se temos um jornal para informa a todos, que esse jornal seja livre, com conteúdo que questione a própria Universidade. Devemos compreender que se existem pichações e adesivos colados em placas, é porque não existe outro meio de comunicação onde possa se manifestar, e se existe não é permitido.
     Mesmo com a falta de compromisso, omissão e manipulação de informações desse jornal, saibamos que a luta continua, DIRETAS JÁ!





UTOPIA ...

"A Utopia está lá no horizonte.




Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos.



Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos.



Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei.



Para que serve a Utopia?



Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar".

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

HISTÓRIA CONTADA PELO O LADO DE LÁ

     Muitos historiadores marcam o ano de 1712 como sendo o ano em que se começou a ver a Fazenda Caiçara como povoação. A Fazenda Caiçara pertencia ao Capitão Antônio Rodrigues Magalhães que, em1743, doou parte de suas terras para a construção da capela de Nossa Senhora da Conceição, que passaria a ser, futuramente, a Matriz da cidade de Sobral.
Ao redor da Matriz e, mais tarde, da capela do Rosário surgiram as primeiras casas da povoação e pertenciam a pessoas de boa conduta, das quais descende grande parte dos habitantes de Sobral.
     Os bairros da Matriz e do Rosário formavam dois pequenos centros de atividade, que pouco a pouco foram se desenvolvendo até que se uniram mediante o aparecimento de novas ruas entre eles.
No dia 5 de Julho de 1773, a povoação Caiçara foi elevada à Vila Distinta e Real de Sobral.
     Em 12 de Janeiro de 1841, pelo decreto Nº 229, a Vila de Sobral foi elevada à categoria de Cidade, com o título de Fidelíssima Cidade Januária do Acaraú, pelo presidente Martiniano de Alencar. Em 25 de Outubro de 1842, pelo decreto Nº 244, a Cidade Januária passou a se chamar Cidade de Sobral.


(FONTE:http://www.sobral.ce.gov.br/comunicacao/novo2/index.php?pagina=cidade/historia-cidade.php)


          Situada na região Norte do Ceará, a 235 quilômetros de Fortaleza, a cidade de Sobral se apresenta como o mais significativo referencial de crescimento e desenvolvimento econômico do interior do Estado, constituindo-se num centro de convergência, por sua ampla e moderna estrutura nos setores da saúde, educação, comércio, indústria, serviços, lazer, cultura e arte.
Inserida no rol das cidades que mais se desenvolveram no Brasil, nos últimos 10 anos, e também uma das 30 melhores para se morar, Sobral se orgulha de sua história e de sua gente; de seus encantos exaltados em prosa e verso; do seu rumo certo, do novo jeito de ser, e por estar cada vez melhor.
        O rio Acaraú e a Serra da Meruoca se constituem nos principais ícones do cenário natural desta terra, que se limita a norte com os municípios de Massapê, Santana do Acaraú e Meruoca, a sul com Santa Quitéria, Groaíras e Cariré, a leste com Itapipoca, Irauçuba e Canindé, e a oeste com os municípios de Coreaú, Mucambo e Alcântara.
       Sobral é ligada a Fortaleza pela BR-222, que interliga nosso estado aos estados do Piauí, Maranhão e Pará. A cidade dispõe de um moderno Terminal Rodoviário, dispondo de linhas para os principais estados do país. Atende também a um considerável público com transporte intermunicipal, com ônibus saindo e chegando em intervalos de 15 minutos. O aeroporto da cidade, é um dos três mais importantes do Ceará, servindo a aeronaves de porte médio.
Sobral vem experimentando um forte processo de modernização em sua estrutura econômica. Há 50 anos, a cidade era o mais importante pólo comercial do norte do Estado. Na segunda metade do século XIX o desenvolvimento de Sobral chegou a superar o de Fortaleza. O progresso da cidade se firmou a partir da instalação de indústrias e de um vigoroso sistema educacional e de prestação de serviços de saúde.
       Sobral vem experimentando um forte processo de modernização em sua estrutura econômica. Há 50 anos, a cidade era o mais importante pólo comercial do norte do Estado. Na segunda metade do século XIX o desenvolvimento de Sobral chegou a superar o de Fortaleza. O progresso da cidade se firmou a partir da instalação de indústrias e de um vigoroso sistema educacional e de prestação de serviços de saúde.
      Nascido em 1841, o Município ocupa uma área de 2.129 quilômetros quadrados, tem uma população, estimada pelo IBGE, em julho de 2006, de 175.814 habitantes, e está a uma altitude de 70 metros acima do nível do mar. O clima é quente e seco, com uma temperatura média de 30 graus centígrados.
O Sistema de Comunicação de Sobral é um dos melhores do Ceará. O Município está ligado ao mundo com excelente capacidade instalada nas áreas de telefonia pública e privada, incluindo a celular atendido pelas operadoras Claro, Oi e Tim, que oferecem uma cobertura de mais de 90% do município. A cidade possui vários provedores de acesso à rede mundial de computadores - (INTERNET) via linha discada, cabo, rádio e sistema Velox, sendo um dos pioneiros, o Primeiro Provedor Municipal Gratuito do Brasil - Sobral Internet Grátis; dispõe também de cinco repetidores de TV, cinco emissoras de rádio AM, três emissoras de rádio FM e quatro jornais com periodicidades semanal e quinzenal, além de três salas de cinema, um moderno teatro, estádio de futebol, kartódromo, Jócquei, ginásio poliesportivo (uma vila olímpica em construção), clubes sociais de grande porte, uma ampla rede hoteleira, sistema de mototáxi, universidade com cerca de 20 cursos, dentre eles os de engenharia, medicina e direito, além de grandes escolas de ensino médio.
Arquitetura
Temos em Sobral, cinco grandes grupos, digamos assim, arquitetônicos:
      - O primeiro é o da Praça São João, em torno da Praça.
     - O segundo é o trecho que vai da Igreja das Dores até a Igreja do Rosário, pegando a rua Ernesto Deocleciano.
     - O terceiro, o conjunto de casas em estilo Art. Noveau da Praça João Pessoa.
     - O quarto, o trecho que vai do Arco de Nossa Senhora de Fátima até a Praça Dr. José Sabóia (antiga Coluna da Hora).
     - O quinto são as casas e monumentos isolados (O Patronato, chamado Outão Enobrecido; uma casa ao lado da loja Odésio Cunha; o Colégio Sant'ana; o sobradinho da Casa Samuel, na rua Ernesto Deocleciano; o prédio do Radier; e o Teatro São João).
     Dentre as valiosas edificações contemporâneas da Instalação da Vila em 1773, podemos citar a que pertenceu ao Capitão-Mor José de Xerez Furna Uchoa - introdutor da cultura do café no Ceará - localizada na Praça da Sé.
O mais antigo sobrado da cidade ou mesmo do Estado, datado de 1814, é o que foi construído pelo Coronel Inácio Gomes Parente, então chefe político em Sobral e deputado à Corte Constituinte de Lisboa, hoje quase totalmente destruído.
     Contemporâneos desse sobrado, embora um pouco mais novos, são os do Português Francisco Rodrigues dos Santos - o Chico Marinheiro - hoje conhecido como sobrado do Radier (onde funciona a empresa Execute Computadores), o do Senador Francisco de Paula Pessoa (atual Colégio Sant'ana, reformado em 1925, com revestimentos decorativos inspirados na renascença veneziana). Já em meados do Século, surgem os sobrados com três ou quatro águas, com motivos greco-romanos ou elementos decorativos à Bonaparte, como os de Domingos José Pinto Braga, do Major João Pedro Bandeira de Melo. Ainda dessa fase pode-se destacar o pequeno e elegante sobrado da esquina da rua Menino Deus com a antiga travessa do Botica, hoje Ernesto Deocleciano, construído pelo português Joaquim Lopes dos Santos.
      Em 1858, o Vigário Colado Pe. Francisco Jorge de Souza construiu este sobrado, que após restaurado abriga a "Casa da Cultura de Sobral". Em 1989 este Solar dos Figueiredos, como ficou conhecido foi comprado por um comerciante que iniciou a sua demolição, interrompida por uma Ação popular ajuizada na      Comarca de sobral por um grupo de 20 sobralenses.
Entre as igrejas remanescentes do antigo conjunto arquitetônico de Sobral, podemos destacar: Igreja da Sé ou Catedral; Igreja Nossa Senhora do Patrocínio; Igreja dos Pretinhos de Nossa Senhora do Rosário - construída por escravos; a Igreja do Menino Deus - erguida por duas irmãs Carmelitas no começo do Século passado; Igreja de Nossa Senhora das Dores; Igreja de São José - do Sumaré; Igreja de São Francisco.


quarta-feira, 18 de novembro de 2009

“TRANSCENDENDO A CIDADE: Desmistificando Sobral.”

NO DESENVOLVER DA PESQUISA...






     No desenvolvimento da pesquisa, a discussão sobre o território sobralense revelou vários pontos quem precisam ser reavaliado e analisado, de forma mais ampla, pois a proposta política, o patrimônio e a história da cidade que servem como imagem para desenvolvimento comercial, ampliando as fontes exploratórias, abriu um leque de dúvidas referente ao futuro do município e da população.

    Este trabalho baseia-se nos estudos de TUAN (1980) sobre Topofilia, termo que ele descreve no livro, como “o elo afetivo entre a pessoa e o lugar ou ambiente físico”. E com auxílio da corrente filosófica vista em Ferdinand de Saussure, a semiologia, estudarmos a representação e percepção dos signos, com os conceitos de “significado e significante”, para melhor compreensão do espaço, e dos sonhos adquiridos no/do lugar. Pensando assim foram delimitados vários pontos de estudos/análise entre várias temáticas (que são retratados e recebem maior ênfase no território sobralense), que servirão como segmentos de observação, tais como:

  - A formação e história de Sobral.

  - Pontos Educacionais: Signos da educação, imagem, a educação superior e básica, a Universidade, políticas educacionais & utopias.

  - Pontos em relação à economia e o trabalho: A busca pelo trabalho, o emprego, as produções, as indústrias (em específico a Grendene), desenvolvimento econômico e sua relação com o trabalho, às políticas de desenvolvimento do comércio e as utopias referentes.

  - Pontos culturais e de lazer: divergências culturais, proposta política de cultura, juventude, o lazer, “a vida boêmia”, os espaços e seus grupos formando um território, utopias relacionadas.

  - Pontos Históricos: O patrimônio histórico, as histórias da população, imagem, a educação patrimonial, história da cidade vista por outras vertentes, pontos históricos, utopias.

  - Pontos Imobiliários/moradia: A especulação imobiliária, a exploração imobiliária exercida sobre a população, políticas urbanas, utopias, áreas verdes, condições das moradias, a valorização do território, políticas públicas afins.

     Estudando esses pontos com nossa fundamentação teórica, e em seguida analisarmos como ambos estão relacionados e interagindo entre si, formando uma imagem do lugar, logo assim, acreditamos que será possível entender as utopias presente no território sobralense. Pois, utopia é algo relativo, onde cada qual tem seu modo diferenciado de perceber e sonhar, e a forma de análise em diversas vertentes trarão um reconhecimento do lugar.


segunda-feira, 9 de novembro de 2009

O ANARQUISMO COMO MÉTODO DE ANÁLISE GEOGRÁFICA: UMA BREVE REFLEXÃO EPISTEMOLÓGICA








Alexandre Peixoto Faria Nogueira[1]




Introdução

            O anarquismo tem sido historicamente, colocado à margem das discussões científicas e, consequentemente, das produções acadêmicas. Essa exclusão não só acontece no âmbito da geografia, mas em todas as ciências sociais, nas quais as correntes de pensamento hegemônicas menosprezam a importância e contribuição do anarquismo para com o desenvolvimento e organização social em determinados momentos da história, tanto em escala mundial como, por exemplo, a importância dos grupos anarquistas na Revolução Russa e na Guerra Civil Espanhola; quanto no Brasil, com a chegada dos imigrantes, principalmente italianos, formando os primeiros sindicatos brasileiros. No entanto, ressurgem grupos de estudos na linha anarquista, como por exemplo, o Grupo de Estudo Anarquista (GEA) da Universidade Federal Fluminense e também alguns encontros nacionais, como o I Simpósio de História do Anarquismo no Brasil, ocorrido entre os dias 20 e 21 de agosto de 2003, na Universidade Federal Fluminense, Niterói/RJ.
            A palavra anarquia vem do grego e significa “sem governante”, sendo assim esta palavra, segundo Woodcock (2002) “pode ser usada para expressar tanto a condição negativa de ausência de governo, quanto a condição positiva de não haver governo por ser ele desnecessário à preservação da ordem” (p.08). Outra explicação histórica do termo é dada por Leuenroth (1963) segundo este na Grécia, por volta do ano de 478 A.c., existiu um homem chamado Arquias, que escravizava e barbarizava o povo. Este, em oposição aos seus métodos se reuniu para protestar contra ele. Os integrantes desse movimento de contestação foram chamados de An-Arquias, já que o prefixo “An” significa negação (“não/sem”) na língua grega.
            No entanto, a melhor definição e explicação sobre o que é o anarquismo vem de um dos seus maiores pensadores. Na Enciclopódia Britânica, Kropotkin (1910) define anarquismo como:

É o nome dado ao princípio ou teoria de vida e conduta em que a sociedade é concebida sem governo -- a harmonia em tal sociedade é obtida, não pela submissão a leis, ou pela obediência a alguma autoridade, mas pela livre concordância estabelecida entre vários grupos, territoriais e profissionais, livremente constituídos em favor da produção e do consumo, e também para a satisfação da infinita variedade de necessidades e aspirações de um ser civilizado. Em uma sociedade desenvolvida nessas linhas, as associações voluntárias que estarão presentes em todos os campos da atividade humana se estenderão de tal forma que substituirão o estado em todas suas funções. Elas constituirão uma rede composta por uma variedade infinita de grupos e federações de todos os tamanhos e graus, locais, regionais, nacionais e internacionais temporárias ou mais ou menos permanentes -- para todos os possíveis propósitos: produção, consumo e troca, comunicações, arranjos sanitários, educação, proteção mútua, defesa do território, e assim por diante; e, por outro lado, para a satisfação de um número crescente de necessidades científicas, artísticas, literárias e sociais.
  
O Anarquismo como movimento, segundo Fausto (1977) é caracterizado como:

(...) sistema de pensamento social visando as modificações fundamentais na estrutura da sociedade, com o objetivo de substituir a autoridade do Estado por alguma forma de cooperação não governamental entre indivíduos livres (p.63).

            Segundo Woodcock (2002) embora Gerard Winstanley (1649) e William Godwin (1793) tenham sido os pioneiros na exposição da filosofia do anarquismo nos séculos XVII e XVIII, foi apenas na segunda metade do século XIX que o anarquismo emergiu como uma teoria coerente, com uma sistemática e um programa desenvolvido. Este trabalho foi iniciado primeiramente por quatro pensadores, um alemão, Max Stirner (1806-1856), um francês, Pierre-Joseph Proudhon (1809-1865), e dois russos, Michael Bakunin (1814-1876) e Piotr Kropotkin (1842-1921).
O movimento anarquista possui três variantes mais conhecidas: o coletivismo, o anarco-comunismo, e o anarco-sindicalismo[2]. O coletivismo substitui a propriedade individual pela idéia de propriedade gerida por instituições voluntárias, que dariam a cada operário o direito sobre o produto de seu trabalho. O anarco–comunismo tem como lema: “De cada um, de acordo com seus meios; a cada um de acordo com suas necessidades” (WOODCOCK, 2002, p.21) e os anarco-sindicalistas dão valor aos sindicatos de classes como instrumento revolucionário, tendo na greve sua mais poderosa arma de luta para a construção de uma sociedade livre.
As várias teorias apresentadas não são, contudo, mutuamente excludentes: elas se interligam de muitas maneiras, e algumas partes se referem à diferentes níveis da vida social.
No entanto, dentro do pensamento anarquista existem divergências entre as teorias apresentadas nas linhas anteriores. Essas divergências referem-se, essencialmente, à maneira de como atingir seus objetivos. Tais tendências são representadas por seus defensores, os quais são considerados por Woodcock (2002) como os maiores pensadores do anarquismo[3], a saber: Tolstoi, Godwin, Proudhon e Kropotkin. Segundo este, vem deles as principais divergências do anarquismo onde Tolstoi não admitia a violência; Godwin procurava alcançar a mudança através da palavra; Proudhon acreditava que a proliferação pacífica de organizações cooperativas os levaria a vitória; e, somente Kropotkin aceitava a violência, mesmo assim com relutância, pois via nela uma ação inevitável para aqueles que buscavam uma revolução social.
As idéias anarquistas naturalmente não pararam de se desenvolver, nem tampouco elas foram produto de apenas quatro homens. O anarquismo é pela sua própria natureza uma teoria em evolução, com muitos ativistas e pensadores diferentes uns dos outros.
Pretendemos aqui relatar a importância do anarquismo para o desenvolvimento da ciência geográfica, partindo da importância de dois dos principais geógrafos que tinham no anarquismo o seu método de análise: Èlisée Reclus e Piotr Kropotkin.
    
O debate anarquista e a geografia

As ligações entre o anarquismo e a geografia são evidentes a partir do reconhecimento de que, dois dos principais militantes anarco-comunista do final do século XIX, o francês Èlisée Reclus e o russo P. Kropotkin eram geógrafos destacados. Logo, a inserção do pensamento anarquista no âmbito da ciência geográfica acontece a partir das contribuições desses dois geógrafos, pois, o fato é de que, os trabalhos acadêmicos dos mesmos, no campo da geografia, estavam profundamente influenciados pelas idéias políticas anarquistas.
Suas contribuições são muito diferentes daquelas de os antecederam, como por exemplo, as contribuições de Alexandre Von Humboldt, Karl Ritter e as de Friedrich Ratzel. Esses últimos alinharam-se às classes dominantes, conquistaram postos acadêmicos e serviram a soberanos e presidentes, já os dois geógrafos anarquistas contestaram a estrutura de poder, desqualificaram a existência do Estado, professaram idéias radicais de mudança social e saíram em defesa da classe trabalhadora.
Positivistas e adversários de Karl Marx na militância política principalmente durante a Iª Internacional, eles incorporaram, todavia, algumas categorias marxistas em suas obras e anunciaram um caminho libertário tanto para a sociedade quanto para a geografia.
Segundo Woodcock (2002), ambos geógrafos anarquistas eram oriundos de classes sociais distintas, onde È. Reclus provinha de uma família francesa modesta, era filho de pastor protestante, colocando-o, assim, na pré-destinação ao sacerdócio. P. Kropotkin, por sua vez, era de ascendência nobre, filho de latifundiário russo, predestinado a seguir carreira militar, integrando-se aos batalhões de elite que protegiam o Czar. Kropotkin chegou a freqüentar a corte e posteriormente foi matriculado em uma escola preparatória de oficiais.
No entanto, ambos pensadores combateram pelas mesmas idéias e cooperaram em trabalhos de natureza tanto política quanto científica na construção de uma sociedade libertária.
Èlisée Reclus (1830-1905) foi um francês que marcou sobremaneira os rumos tomados pela geografia mundial. Ao contrário dos chamados clássicos da geografia de seu tempo, ele advogava a idéia de uma “geografia unitária”, propondo elaborar estudos de maneira a abranger tanto os aspectos e implicações físicas como também os de cunho social. É desta maneira que ele também designava sua proposta de “geografia social”. Para ele a geografia deveria exercer um papel maior do que o habitualmente atribuído dentro da perspectiva disciplinar que constitui a abordagem estritamente especializada.
Suas dificuldades em desenvolver estudos e de publicá-los foram enormes, uma vez que, os próprios editores rejeitaram esta nova proposta de abordagem dos estudos geográficos, comportando uma atitude de desrespeito aos postulados até então estabelecidos.  
È. Reclus tem como suas principais obras, “A Terra”, em dois volumes, editada em 1869, a “Nova geografia universal”, que veio à público de 1875 a 1892, em dezenove volumes, e o “Homem e a terra”, publicada de 1905 a 1908, em seis volumes, todas essas obras foram frutos de minuciosa pesquisa bibliográfica realizada durante inúmeras viagens, principalmente em seus períodos de exílio. Cuidadoso e valorizando os detalhes, ressaltava as descrições e as ilustrações cartográficas, o que tornava suas obras acessíveis a um grande público. Diversamente dos seus contemporâneos, Reclus não segmentava a geografia entre física e humana, mas estudava, em detalhes, fenômenos físicos, apontando suas conexões com a ação antrópica.
Segundo Anuchin (1965), a pesquisa do meio natural era uma tarefa que facilitava a compreensão do progresso da humanidade. Eis porque È. Reclus escreveu primeiro uma “Geografia Universal” na qual estabelecia um corte horizontal da superfície terrestre, com suas fronteiras políticas, sociais e culturais, e logo após, no livro “O homem e a terra”, efetuava um corte vertical, em profundidade, estudando a ação humana desde a pré-história até a época em que ele viveu.
Assim como Èlisée Reclus, outro geógrafo fazia parte do grupo das exceções: o russo Piotr Alekseievitch Kropotkin (1842-1921), escritor, filósofo e também militante anarquista, ele foi um dos maiores defensores/pensadores do anarco-comunismo no mundo.
P. Kropotkin fundou e editou em Genebra, Suíça, juntamente com È. Reclus e os anarquistas suíços, em 1879, o jornal Lé Révolté. Foi colaborador da Geographical Society na Inglaterra e da Geografia Universal, que era de Reclus. O seu verbete sobre o anarquismo publicado na edição da Encyclopaedia Britânica de 1910 é, até hoje, uma das mais bem elaboradas definições. Kropotkin dedicou-se às investigações geográficas, geológicas e etnológicas, atividades pelas quais sempre sentira forte atração — os informes sobre suas pesquisas foram publicadas pela Sociedade Geográfica Russa entre os anos de 1871 e 1874 (Costa, 1996).
Na época em que era secretário da Sociedade Geográfica Russa, em 1874, ele foi preso e conseguiu escapar e se refugiar na Inglaterra em 1876. Ele desenvolveu teorias sobre a ajuda mútua e associações de trabalhadores, o que norteou praticamente todas as suas obras.
Kropotkin difundiu as idéias de "não-governo", de defesa dos direitos das pessoas, das associações locais, das autonomias locais e contra a centralização estatal. Kropotkin preocupava-se com a descentralização, a cooperação e também com a emancipação humana.
Sobre a geografia, P. Kropotkin afirmava que:
A Geografia deve ser em primeiro lugar, um estudo das leis que modificam a superfície terrestre: as leis que determinam o crescimento e desaparição dos continentes, suas configurações passadas e presente (...). A Geografia deve, em segundo lugar, estudar as conseqüências da distribuição dos continentes e mares, das elevações e depressões, dos efeitos da penetração do mar e das grandes massas de água no clima. Ela deve ainda explicar a distribuição geográfica dos seres vivos, animais e vegetais. E a quarta função da Geografia refere-se aos grupos humanos sobre a superfície da Terra. Suas distribuições, seus traços distintos, a distribuição geográfica das etnias, dos credos, dos costumes, das formas de propriedade e as relações disso tudo com o meio ambiente (...). O ensino da Geografia deve perseguir um triplo objetivo. Deve despertar nos alunos a afeição pela natureza. Deve ensinar-lhes que todos os seres humanos são irmãos qualquer que seja a sua nacionalidade ou a sua 'raça'. E deve inculcar o respeito pelas culturas ditas 'inferiores' (KROPOTKIN, 1885, p. 26).

Kropotkin sempre teve preocupações sobre o papel da geografia na formação crítica das pessoas e principalmente das crianças, a partir do ensino da mesma na escola elementar. Sobre essa questão ele diz:
O papel da geografia na escola elementar é motivar a criança pelo grande fenômeno da natureza, despertando o desejo de conhecer e explicar. A geografia deve prestar, além disso, um serviço ainda mais importante, que é o de nos ensinar (...) que todos nós somos irmãos qual quer que seja a nossa nacionalidade (...). A geografia deve contrabalançar a influência hostil dos preconceitos e criar outros sentimentos mais humanísticos. Ela deve mostrar que cada nacionalidade trouxe a sua própria contribuição para o desenvolvimento geral da humanidade e que somente uma pequena parte de cada nação está interessada em manter as hostilidades e os preconceitos (KROPOTKIN, 1885, p. 30).

Èlisée Reclus: por uma anarco-geografia

Assim o homem que quer realmente desenvolver-se como ser moral deve defender exatamente o contrário do que recomendam a Igreja e o Estado: ele deve pensar, falar, agir livremente.
(RECLUS, 2002).

O geógrafo e militante anarquista Jean Jacques Èlisée Reclus, nasceu em 15 de março de 1830, na cidade de Sainte-Foy-la-Grande na França e faleceu em 4 de julho de 1905. Participou da Iª Internacional ao lado dos libertários Kropotkin e Bakunin contra os, segundo ele, comunistas autoritários K. Marx e F. Engels em 1865, ele participou também da Comuna de Paris em 1871, fazendo frente ao evolucionismo e ao marxismo.
Por ser contemporâneo do século XIX, a sua formação ideológica teve influência de pessoas de sua época, como de seu colega de classe, Friedrich Ratzel e de seu professor de geografia na Universidade de Berlim, Karl Ritter.
Èlisée Reclus começou a ler desde cedo os socialistas utópicos como, Saint-Simon, Fourier e Proudhon. Tornou-se ateu com 22 anos ao abandonar as crenças protestantes.
Na área da geografia, lecionou na Nova Universidade de Bruxelas, onde produziu obras geográficas populares e de qualidade, com ideais de humanismo e de solidariedade entre os povos. Sobre a atuação de Reclus, Fernandes e Andrade afirmam:

Pode-se mesmo afirmar que a sua vida foi dividida em duas direções: a política, dedicada ao pensamento e à ação anarquista, e a científica, dedicada ao conhecimento geográfico. Atuando ou escrevendo, utilizou sempre as duas vertentes: a do cidadão, revolucionário e libertário, e a do cientista, consciencioso e competente (1985, p. 07).

È. Reclus fez uma exposição geral a respeito da evolução da humanidade — ao mesmo tempo em que a diferenciava de revolução. Em sua obra O homem e a Terra, mostrou que as condições sociais do meio modificam as condições naturais, além de julgar necessário que se devam ter certas doses de pressão algumas vezes, a fim de se preparar o terreno para uma futura revolução social, sempre levando em consideração a análise dialética das relações homem/natureza.

Reclus usou um método descritivo que consistiu em dividir a superfície da Terra em grupos de estados e analisar cada área ou região que compunha os estados, detendo-se exaustivamente tanto nos aspectos físicos — relevo, clima, hidrografia, formação geológica, vegetação natural — quanto nos aspectos humanos, como organização do povoamento, utilização do espaço, formas de exploração econômica, relações de classe, sistemas de transporte e organização da rede urbana (FERNANDES & ANDRADE, 1985, p. 18).

Ele salientou também, que a geografia deveria se preocupar mais com o que ele denominava de leis fundamentais da História, a saber: a luta de classes, em que se encontra dividida a sociedade; o equilíbrio através da revolução social; e a contribuição predominante do indivíduo, que somente com sua qualidade e seu aprimoramento intelectual seria possível o progresso.

Reclus chamou atenção ainda para o fato de haver sempre no mundo colonial — o que hoje chamamos de Terceiro Mundo — uma classe ou grupo dominante local que se beneficia com a dominação e que se alia ao dominador estrangeiro, oprimindo o povo. Os mecanismos da dominação são manejados pelo país dominador com o apoio de parcelas minoritárias do país dominado que traem os interesses de sua pátria e se põe à serviço do invasor (FERNANDES & ANDRADE, 1985, p. 18).

            Grande parte de sua obra, que tem explícita conotação crítica ao governo da França e que mostrava que os anseios do povo divergiam dos anseios das classes dominantes, foi escrita no exílio, devido à sua recusa em apoiar e em escrever de acordo com os interesses do poder, do Estado, da burguesia francesa e de suas aliadas, além dos próprios geógrafos contemporâneos a ele, bem como os que viriam depois, sendo por isso boicotado muitas vezes.
            Numa época em que os geógrafos dificilmente abordavam o assunto do cotidiano urbano e da industrialização em andamento, Reclus mostrou que todo esse processo estava caminhando junto com a miséria que crescia cada vez mais e que tinha como um dos agravantes, o êxodo rural.

Reclus não se submeteu as censuras de quaisquer espécies e procurou dar uma visão vertical da ação do homem na superfície da Terra, cobrindo duas categorias: espaço e tempo. Em L’homme et la Terre, a problemática é apresentada de forma muito ampla, e Reclus corrobora a sua afirmativa de que ‘a geografia é a História do espaço, enquanto a História é a geografia do tempo’, propondo-se a fazer uma geografia social. São analisados com profundidade os temas mais diversos e atuais, como: a origem do homem, a distribuição das populações, a evolução históricas da humanidade, as formas de Estado e de governo, o problema das etnias, das religiões, das culturas, do trabalho, da colonização, do progresso, da educação etc. (FERNANDES & ANDRADE, 1985, p. 19).


As preocupações de Èlisée Reclus com a Geografia

·      Quanto à natureza da geografia:

Ele se preocupava com o rumo que a sociedade estava tomando, utilizando a geografia para denunciar a desigualdade econômica, política, cultural e social entre os indivíduos; a divisão de classes com interesses opostos que acabam com o equilíbrio “através de luta entre os dominadores, que procuram manter e defender os seus privilégios, e os dominados, que procuram, por meio de pressões ou de luta armada, romper o equilíbrio e ocupar a posição de classe dominante” (FERNANDES & ANDRADE, 1985, p. 20); e a evolução social sem o esforço e o aperfeiçoamento individual, podando a liberdade. Com isso vêm as guerras por onde “os dominados, se vencem, modificam as estruturas sociais em seu benefício e, se perdem, são submetidos a um controle mais severo e tirânico por parte dos grupos dominantes” (FERNANDES & ANDRADE, 1985, p. 20).

·      Quanto à unidade da geografia:

Èlisée Reclus era contra a divisão entre geografia física e geografia humana, pois tal atrito atraía as atenções para uma briga sem fundamento, perdendo-se de vista a preocupação da divisão de classes, da miséria e da dominação burguesa até então em curso, além de quebrar a harmonia da geografia como ciência.

Reclus também se punha contra as idéias dominantes do determinismo geográfico, desenvolvido, com alguma moderação, por Ratzel e levado a exageros por discípulos como Huntington e Helen Simple. Não caiu, porém, no possibilismo de Vidal de la Blache que, fundamentalmente ambientalista, é, na verdade, um determinismo moderado (FERNANDES & ANDRADE, 1985, p.21).

·      Quanto ao comprometimento político da geografia:

O que interessava para È. Reclus era como a geografia poderia ser útil para explicar e resolver a questão dos problemas e das diferenças sociais. É neste sentido que norteia a obra de Reclus, como afirmam Fernandes e Andrade:

A obra de Reclus levantara uma série de problemas, como o problema do crescimento urbano, o do desenvolvimento industrial, o da análise das estruturas econômicas, políticas e sociais, o da colonização e o das formas de dominação, demonstrando até mesmo o caráter imperialista da expansão colonial, no momento em que os geógrafos, em geral, procuravam justificar essa expansão como necessária ao progresso e à civilização. Reclus demonstrava, sobretudo para as colônias de exploração, como o colonizador era mobilizado pelo interesse da exploração das populações nativas e dos recursos existentes, e não pelo desejo de levar a religião e a fé da civilização ocidental aos povos considerados selvagens e bárbaros (1985, p. 26).

Élisée Reclus e o determinismo
Èlisée Reclus consegue facilmente a unanimidade para a amplitude de sua obra: quantidade considerável de escritos, de informações levantadas para a época e de trabalho realizado em condições materiais muitas vezes delicadas. Sobre a qualidade, além de seu estilo literário igualmente reconhecido, um núcleo duro se destaca que está longe de ter enrugado. Reclus inicialmente levou certo número de ferramentas para a Geografia. Segundo Anuchin (1965) foi ele quem criou a expressão “ambiente geográfico” e, segundo Dunbar (1981), “geografia social”. Mas nem por isso Reclus procurou fazer um corte de sua disciplina. Tratava-se de introduzir claramente no domínio da “geograficidade”, como destaca Lacoste (1989), o conjunto das questões (econômicas, políticas, ecológicas, etc.) que ficavam até então mais ou menos separadas, e isso numa perspectiva de inter-relações que sublinhavam a problemática natureza/sociedade.
O que parece evidente hoje em dia (como, por exemplo, a influência das políticas estatais sobre o arranjo do território) estava longe de ser óbvio ainda nessa época. È. Reclus evocou sem rodeios as colonizações, os imperialismos, as guerras.
De uma ontologia científica exemplar, ele rejeitava todos os preconceitos. Kropotkin (1987) lembra:
Seu profundo respeito pelas nacionalidades, clãs ou tribos, civilizados ou não. Não somente sua obra está livre de toda vaidade nacional absurda ou de preconceito nacional ou racial, como ele conseguiu, além disso, mostrar (...) aquilo que todos os homens têm em comum, o que os une e não aquilo que os divide (p. 63).

Ainda hoje, a problemática natureza/sociedade continua sempre igualmente discutida. Neste contexto surgem alguns questionamentos, tais como: em que o homem é influenciado ou modificado pelo ambiente físico? Qual é a participação dos comportamentos adquiridos (pela educação, o entorno social, etc.) e dos comportamentos inatos?
Em Geografia, todas essas questões gravitam em volta do “determinismo”. Este pode chegar a conclusões tão parciais quanto falsas sobre o vínculo entre a distribuição da população e a freqüência dos pontos de água ou entre o estado das civilizações e a natureza de seu clima.
Sobre o determinismo, Reclus tem uma posição muito firme: ele se opôs, em princípio, àqueles que privilegiam um único fator na explicação de um fato:

É por um esforço de abstração pura que as pessoas tentam apresentar esse traço particular como se ele existisse distintamente e que se busca isolá-lo de todos os outros para estudar a influência do mesmo (...). O meio é sempre infinitamente complexo (FERNANDES & ANDRADE, 1985, p. 108).

Para Èlisée Reclus, o homem é uma parte desse meio e de sua dimensão física, a Natureza (“o homem é a natureza tomando consciência de si mesma”); como Kropotkin, ele sublinha isso constantemente em seus escritos.
O homem é suficientemente poderoso para dominar a natureza. Mas ele não pode esquecer as leis da mesma, a não ser em detrimento delas. Sobre esse poder humano sobre a natureza, em sua conclusão de O Homem e a Terra, Reclus ironiza assim a ideologia do super-homem, esses “aristocratas do pensamento” ou da riqueza.
Isso não surpreende, pois, os anarquistas, ecologistas pioneiros, reconhecem as leis naturais como as únicas contra as quais o homem nada pode e os colocam aquém das leis que os homens podem se dar livremente a eles mesmos (Bakunin, o qual Reclus encontrou em plena Iª Internacional, declara: “nenhuma rebelião contra a Natureza é possível”).
Isso significa, portanto, que o homem, indivíduo e sociedade, permanecem submetidos aos elementos físicos?
Não, pois para È. Reclus a variação desses elementos no espaço e no tempo e a modificação constante de nossas percepções impedem qualquer hierarquia metódica das causalidades. Ele também emprega o termo “dinâmico" para definir o modo das inter-relações, noção que será retomada por seus sucessores, o que lembra o termo “cinética” empregado por P. Kropotkin.
Em toda parte, o homem pode se adaptar às condições naturais, portanto pode modificá-las, se tiver os meios para tanto. Segundo Dunbar (1981), Èlisée Reclus mostra isso com a ajuda de múltiplos exemplos e de mapas, sem se contentar com diatribes contra o Estado ou burguesia e sem se esconder atrás dos conceitos forjados e propositais como fazem os marxistas com o “modo de produção” ou o “materialismo histórico”. Ele procura estabelecer todas as conexões e demonstrar os processos para captar a complexidade do real. O que a posição de Reclus subtende é essa opção lúcida, inabalável, cruel e visceral, ou seja, a liberdade, esse sentimento no qual tudo é, tudo continua, onde tudo deve ser possível.
Com razão, Dunbar (1981, p. 12) lembra que È. Reclus declarava: “sou geógrafo, mas acima de tudo sou anarquista” e comenta que “assim como sua geografia era necessária ao seu anarquismo, também seu anarquismo enriquecia sua geografia; não podemos entender Reclus se olharmos um sem o outro”. A orientação libertária de Reclus é exatamente a garantia da independência, do julgamento crítico e da honestidade indispensável a toda busca sincera. E ela vai muito mais longe que o possibilismo clássico desenvolvido por certos geógrafos contra o determinismo corrente, pois ela não ignora a existência de leis geográficas.

Piotr Kropotkin: “o príncipe anarquista”

Os Estados caminham a todo vapor para a ruína, para a bancarrota; e não está longe o dia em que os povos, cansados de pagar anualmente quatro bilhões de juros aos banqueiros, proclamarão a falência dos Estados e mandarão estes banqueiros lavrarem a terra, se tiverem fome. (KROPOTKIN, 2005)


Piotr Kropotkin foi um dos principais anarquistas da Rússia do final do século XIX e início do século XX e um dos defensores do que ele mesmo chamava de comunismo libertário[4]. Como já vimos em linhas anteriores, Kropotkin foi o principal pensador/defenssor da corrente de pensamento anarquista denominada de anarco-comunismo. 
A base de tal concepção encontra-se na idéia de que o critério para o consumo (tanto de bens quanto de serviços) dos indivíduos não seja o trabalho, mas a necessidade. Kropotkin propagava assim, um sistema de distribuição livre da produção, conceito este que está ligado ao raciocínio de que, não é possível medir a contribuição isolada de um indivíduo na produção social, e que, portanto, uma vez realizada, toda ela deva ser desfrutada socialmente.
Kropotkin vê na coletivização dos meios de produção o objetivo da transformação social, mas, diferentemente de alguns, infere que a este fenômeno seguiriam como consequência inevitável a distribuição livre e a extinção de qualquer sistema de salários.
Numa tal sociedade a produção seria orientada para o consumo e não para o lucro. Kropotkin vai além em suas considerações sobre esta outra forma de sociabilidade ao vislumbrar uma ciência dedicada a descobrir meios para conciliar e satisfazer as necessidades de todos.
O problema que se levanta quando se pensa em uma distribuição livre, Kropotkin não vê aí uma abertura para a instauração de um governo revolucionário, pelo contrário, diz ser a cooperação voluntária o substituto tanto para a propriedade privada quanto para a desigualdade, categorias nas quais se fundamentam o Estado.
Neste sentido, Kropotkin defende um sistema de administração pública fundada na idéia de comuna não apenas enquanto unidade administrativa mais próxima do povo e de suas preocupações imediatas, mas também enquanto associação voluntária que reúne os interesses sociais representados por grupos de indivíduos diretamente ligado a eles. Logo, a união destas comunas produziria uma rede de cooperações que substituiria o Estado.
Devido a sua influência política, seu título e sua proeminência como um anarquista no final do século XIX e começo do XX, P. Kropotkin ficou conhecido como "o Príncipe Anarquista".

Considerações Finais
Decididamente, caminhamos a passos largos para a revolução, para uma comoção que, ao eclodirem um país, vai-se propagar como em 1848, a todos os países vizinhos e, ao abalar a sociedade atual até suas entranhas, virá renovar as fontes da vida. (KROPOTKIN, 2005, p. 21)


A proposta de uma geografia libertária não se remete apenas ao campo das ciências, mas sim, ela ocorre juntamente com a formulação de uma proposta de um modelo societal divergente com o atual modelo de organização social, político e econômico, pois, onde, respectivamente, um é caracterizado pela produção coletiva, organização de coletivos e federações de trabalhadores, distribuição livre da produção a partir das necessidades de cada um, abolição da propriedade privada e pelo fim do Estado; o outro é caracterizado pela exploração dos trabalhadores, geração de lucro, miséria, fome, desemprego, propriedade privada e por uma classe política burocrática que absorve toda a riqueza produzida.    
É a partir do exposto no decorrer do texto que consideramos relevante a análise anarquista para o estudo da geografia, principalmente no que tange a relação homem/natureza e todas as problemáticas sociais existentes agravadas com o desenvolvimento do capitalismo.



BIBLIOGRAFIA

ANUCHIN, E. A.: Teoría de la Geografía en Nuevas Tendencias en Geografía, Inst. Est. Admon. Local, Madrid, 1965.

COSTA, Caio Túlio. O que é anarquismo. 15ª ed. Coleção Primeiros Passos, n. 5. São Paulo: Brasiliense, 1996.

CAMUS, Albert. O homem revoltado. 6ª ed. Record. Rio de Janeiro. 2005.

DE MARCO. Valéria. Comunidade Sinsei (u)topia e territorialidade. Dissertação defendida para obtenção do título de mestre em Geografia na Universidade de São Paulo. USP - SP 1996

DUNBAR, Gary S. Elisée Reclus, an anarchist in geography. En: Geography, ideology and social concern, ed. D. R. Stoddart, 1981.

FAUSTO, B. Trabalho urbano e conflito social.. Rio de Janeiro: Ed. Difel, 1977.

FERNANDES, Florestan (Coord.) & ANDRADE, Manuel Correia de (Org.). Èlisée Reclus: Geografia. Coleção Grandes Cientistas Sociais, vol. 49. São Paulo: Ática, 1985.

HILSDORF, M.L.S. História da Educação Brasileira: leituras. São Paulo: Ed.Thompson, 2003.

KROPOTKIN, P. Palavras de um revoltado; tradução: Plínio Augusto Coelho. – São Paulo: Imaginário Ed., 2005.

KROPOTKIN, P. Aos jovens. In Palavras de Um Revoltado. s.d. (Disponível no site: http://geocities.yahoo.com.br/ativismoclave/textos/jovens.htm em 10/10/2005).

KROPOTKIN, P.; TRAGTENBERG, Mauricio. Kropotkin. Porto Alegre: L & PM Editores, 1987.

KROPOTKIN P. "What Geography Ought to Be." The Nineteenth Century .V.18, (1885). (Disponível no site: http://dwardmac.pitzer.edu/anarchist_Archives/kropotkin/whatgeobe.html).

LACOSTE, Yves. A geografia – isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. Tradução de Maria Cecília França. 2a. edição. Campinas: Papirus, 1989.

LEUENROTH, E. Anarquismo: roteiro de libertação social.. Rio de Janeiro: Ed. Mundo Livre, 1963.

___________. Os Anarquistas, Trabalhadores Italianos no Brasil. São Paulo: Global Editora, 1989.

RECLUS, Élisée. A evolução, a revolução e o ideal anarquista. São Paulo: Imaginário 2002.

WOODCOCK, G. História das idéias e movimentos Anarquistas.. Porto Alegre: Ed. L & PM Pocket, RS, 2002.


[1] Mestrando do programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal da Paraíba; Membro do Centro de Estudos de Geografia do Trabalho (CEGeT). Email: alexandrepfn@gmail.com
[2] Segundo De Marco (1996), o movimento anarquista possuía três principais escolas do pensamento, são elas: a individualista, a mutualista e a socialista, esta última subdividida em duas correntes, a coletivista e a comunista. 
[3] O destaque destes quatro pensadores deve-se a importância histórica das suas contribuições para o desenvolvimento anarquista.
[4] Comunismo libertário é a vertente do comunismo adotada pela tradição teórica de alguns autores anarquistas. Num regime comunista libertário, a propriedade privada e o Estado seriam abolidos e a sociedade seria organizada através de federações de trabalhadores que gerenciariam a produção e todas as esferas de decisão por meio da democracia direta. O dinheiro seria abolido, e valeria a máxima "de cada um de acordo com suas capacidades, a cada um de acordo com suas necessidades" (KROPOTKIN, 2005).


sábado, 7 de novembro de 2009

Toda solidariedade à Federação Anarquista Gaúcha - FAG

Solidariedade com a Federação Anarquista Gaúcha - FAG




Neste exato momento - 5a, 29 de outubro de 2009, a partir das 16 horas - a Polícia Civil do RS sob o comando da governadora Yeda Crusius promove diligência na sede da Federação Anarquista Gaúcha (FAG). O mandado de segurança do governo busca apreender material de propaganda política contra o governo acusado de corrupção. Os cartazes abordam o empréstimo junto ao Banco Mundial e o assassinato do sem-terra Eltom Brum. Este ato é pura provocação do Executivo gaúcho, atravessado por atos de corrupção e situações até hoje sem explicação, como a morte de Marcelo Cavalcante em fevereiro desse ano. Conclamamos as forças vivas da esquerda gaúcha para reagirmos de forma unificada contra mais esse desmando.

 
http://geolibertaria2.blogspot.com/2009/10/toda-solidariedade-federacao-anarquista.html

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

ESCOLHAS DE UMA VIDA



Por Pedro Bial



A certa altura do filme Crimes e Pecados, o personagem interpretado por Woody Allen diz: "Nós somos a soma das nossas decisões".

Essa frase acomodou-se na minha massa cinzenta e de lá nunca mais saiu. Compartilho do ceticismo de Allen: a gente é o que a gente escolhe ser, o destino pouco tem a ver com isso.

Desde pequenos aprendemos que, ao fazer uma opção,estamos descartando outra, e de opção em opção vamos tecendo essa teia que se convencionou chamar "minha vida".

Não é tarefa fácil. No momento em que se escolhe ser médico, se está abrindo mão de ser piloto de avião. Ao optar pela vida de atriz, será quase impossível conciliar com a arquitetura. No amor, a mesma coisa: namora-se um, outro, e mais outro, num excitante vaivém de romances. Até que chega um momento em que é preciso decidir entre passar o resto da vida sem compromisso formal com alguém, apenas vivenciando amores e deixando-os ir embora quando se findam, ou casar, e através do casamento fundar uma microempresa, com direito a casa própria, orçamento doméstico e responsabilidades.

As duas opções têm seus prós e contras: viver sem laços e viver com laços...

Escolha: beber até cair ou virar vegetariano e budista? Todas as alternativas são válidas, mas há um preço a pagar por elas.

Quem dera pudéssemos ser uma pessoa diferente a cada 6 meses, ser casados de segunda a sexta e solteiros nos finais de semana, ter filhos quando se está bem-disposto e não tê-los quando se está cansado. Por isso é tão importante o auto conhecimento. Por isso é necessário ler muito, ouvir os outros, estagiar em várias tribos, prestar atenção ao que acontece em volta e não cultivar preconceitos. Nossas escolhas não podem ser apenas intuitivas, elas têm que refletir o que a gente é. Lógico que se deve reavaliar decisões e trocar de caminho: Ninguém é o mesmo para sempre.

Mas que essas mudanças de rota venham para acrescentar, e não para anular a vivência do caminho anteriormente percorrido. A estrada é longa e o tempo é curto.Não deixe de fazer nada que queira, mas tenha responsabilidade e maturidade para arcar com as conseqüências destas ações.

Lembrem-se: suas escolhas têm 50% de chance de darem certo, mas também 50% de chance de darem errado. A escolha é sua...!

O QUE SÃO ACELERADORES DE PARTICULAS E PORQUE SÃO IMPORTANTES ?

 


O que são aceleradores de partículas e porque são importantes?








Um acelerador de partículas é um aparelho que produz "feixes" de átomos, elétrons, moléculas ou algumas partículas mais exóticas, como antiprótons, pósitrons ou mésons, com velocidades altas, geralmente superiores a 1/1000 da velocidade da luz c. Para que sejam atingidas estas velocidades, que em alguns casos chegam quase na velocidade da luz, as partículas sofrem a ação de forças eletromagnéticas, com arranjos que diferem bastante entre os diversos tipos de aceleradores.
Um "feixe" de partículas ocorre quando as trajetórias dessas partículas são razoavelmente paralelas e distam menos de 1 centímetro umas das outras. (A palavra "feixe" quer dizer em geral um conjunto de objetos paralelos colocados perto um do outro, como numa vassoura de gravetos onde eles são amarrados por uma corda, vindo daí a palavra "faxina".) Um feixe é caracterizado então pela partícula que o forma, pela sua energia cinética Ec(ou velocidade v) e pelo número de partículas por unidade de tempo N. Se a carga das partículas for q, há uma relação simples entre a corrente elétrica total do feixe, I, e o fluxo N: I=Nq.
Mas porque alguém aceleraria partículas? A primeira razão é que precisamos conhecê-las melhor e um dos meios de fazer isso é colidí-las em altas velocidades com outras partículas (átomos, fótons, elétrons, moléculas, etc) ou com sólidos. A segunda razão é que podemos usar essas colisões para conhecer melhor os "alvos", por exemplo obtendo a composição química de objetos sólidos. Há também numerosas aplicações tecnológicas e médicas. A Microeletrônica, por exemplo, não existiria sem aceleradores, chamados "implantadores" porque colocam átomos, geralmente de boro e de fósforo, dentro de um cristal de silício. (Antes de aceleradores começarem a ser empregados nos anos 60 já eram fabricados válvulas, diodos e transistores - mas sem aceleradores os tamanhos de qualquer circuito eletrônico seriam milhões de vezes maiores que hoje.) Num outro exemplo, a erroneamente chamada Medicina Nuclear usa aceleradores para produzir radioisótopos usados em terapias ou em dignósticos, para produzir raios-X ou para irradiação de tumores com elétrons ultra-rápidos (energia cinética de 20 MeV, equivale a velocidade 0,9997c).

Uma questão preliminar é a das unidades. Em geral nos referimos às energias cinéticas em eV ou seus múltiplos keV (1000 eV), MeV (1000 keV), GeV (1000 MeV) ou TeV (1000 GeV). Um eV é a energia cinética de uma partícula com a carga do elétron que atravessou uma diferença de potencial elétrico de um Volt e corresponde à energia de 1,6 *10 elevado a (-19) Joules. Caso a energia cinética de uma partícula seja muito inferior à sua "energia de repouso" (mc elevado a 2) podemos usar a fórmula usual Ec=(1/2)mv elevado a 2, de outra forma teremos que usar expressões relativísticas. Como exemplos, um elétron num tubo de TV tem cerca de 25000 eV antes de bater na tela e produzir luz, uma molécula de gás tem cerca de 1/40 do eV, os fótons de luz visível tem cerca de 2 eV, as partículas emitidas pelos núcleo de alguns átomos, chamados radioativos, tem alguns milhões de eV.
Se desejarmos estudar o núcleo as energias são geralmente superiores a 1 MeV, podendo ir a GeV. Se quizermos estudar as partículas que formam o núcleo as energias serão maiores ainda, de GeV a Tev. (Átomos ou núcleos com energia cinética de 1 MeV tem velocidades, dependendo da massa atômica, indo de 0,003 c, para o urânio,a 0,05 c, para o hidrog&ecirc.nio. Não apenas a complexidade dessas máquinas aumenta com a energia, em cada faixa estudam-se fenômenos distintos, cuja relevância vai da compreensão de nossa atmosfera até à da origem do universo. Incidentalmente as máquinas gigantescas que trabalham na região de 1 TeV, o CERN na Europa e o Fermilab na América do Norte, tem como subprodutos aplicações tecnológicas em mecânica fina, novos materiais, eletrônica e supercondutividade, sendo isto uma das principais motivações de seus orçamentos anuais de centenas de milhões de dólares. Não iremos falar destes aceleradores, concentrando-nos nos que permitem estudar propriedades atômicas e suas ainda mais generalizadas aplicações, ou seja, as energias disponíveis não serão suficientes para quebrar ou excitar o núcleo atômico, o que quer dizer velocidades entre cerca de 1/1000 e 1/10 de c, ou energias indo de 0,001 eV a alguns MeV.
É difícil para nós imaginar que até 200 anos atrás não se soubesse nada sobre átomos ( a Teoria Atômica de Dalton data do início do século XIX) ou que apenas cem anos atrás tenha sido descoberta a existência do elétron, pois hoje toda a tecnologia se baseia em átomos e em elétrons. Inúmeras aplicações de propriedades atômicas na Engenharia, na Química e na Medicina, não existiam, entre elas quase todas a Eletrônica, a Ciência de Materiais e a Química Analítica (que estuda a composição química de um objeto ou de uma amostra). Pelo lado da Ciência, nesse passado tão recente não eram conhecidos os fenômenos básicos da Química, da Biologia, da Física e da Meteorologia para os quais os átomos (e as moléculas, que são aglomerados de átomos) são fundamentais. Hoje, por exemplo discutimos as propriedades dos seres vivos e como alterá-las através da Genética Molecular, quando o gen é estudado como formado por grupos de átomos; estudamos a temperatura da Terra e a intensidade de radiação ultravioleta (UV) pelas colisões entre moléculas na atmosfera e somos capazes de calcular propriedades de compostos químicos os mais diversos, nas fases gasosa, líquida ou sólida, usando a Mecânica Quântica.

Estamos rodeados de materiais "artificiais", como plásticos, remédios, ligas metálicas e cerâmicas, desconhecidos por nossos antepassados de 100 ou de 200 anos atrás, ou mesmo que desconhecíamos durante nossa infância. A descoberta e/ou produção de muitos deles só foi possível usando propriedades atômicas e moleculares descobertas usando aceleradores. Foram experiências usando aceleradores que nos permitiram a compreensão que temos dos átomos e das substâncias que nos rodeiam, fornecendo a base para a Mecânica Quântica no início deste século, por sua vez permitindo a compreensão teórica dos fenômenos químicos. Nessas experiências um átomo (em geral ionizado positiva ou negativamente) ou um elétron (uma partícula que existe dentro dele) é acelerado até uma velocidade "alta" e colide com um "alvo", que pode ser um outro átomo, uma molécula, um objeto sólido, a superfície de um líquido, etc.
Além de explicar essas propriedades, os aceleradores são usados para fabricar equipamentos baseados nelas. Por exemplo, os aparelhos eletrônicos funcionam baseados em componentes (os circuitos integrados ou "chips", que podem conter o equivalente a dezenas de milhões de transistores) fabricados por implantação de átomos de velocidade alta (obtida usando aceleradores de ions) em cristais de silício. Alguns destes aparelhos, como microcomputadores ou simples televisões, são eles próprios aceleradores, acelerando elétrons até velocidades de 30% da velocidade da luz.
Até 1750, por exemplo, apenas 17 do atuais 105 elementos eram conhecidos e nem era sabido que todas as substâncias eram formadas por combinações desses cento e pouco elementos. Na segunda metade do século XVIII uma sucessão de grandes químicos, como Lavoisier (1743-1794, quando foi morto pelo governo revolucionário da França) e Proust (1754-1826), não apenas mais do que dobraram o número de elementos conhecidos (passou para 40) como também verificaram a existência de relações definidas entre as massas das substâncias envolvidas numa reação química. No início do século XIX Dalton (1766-1844) propôs a Teoria Atômica e Berzelius (1779-1848) a maneira como se denotam os elementos. Além desses cientistas numerosos outros descobriam novos elementos, sintetizavam novas substâncias e descobriam a "composição química" de muitas outras, algumas conhecidas desde a Antiguidade, como o sal de cozinha, a alumina e a soda. Mas se desconhecia o que eram os átomos.
Para estudar os átomos, os núcleos dos átomos e as partículas dentro desses núcleos temos que fazer colisões com velocidades crescentes. Em alguns casos a Natureza já nos fornece átomos (ou ions, que são átomos sem alguns elétrons) com velocidades altas. Exemplos disto são os átomos cujos núcleos emitem espontaneamente partículas alfa (estas são formadas por 2 protons e 2 neutrons, tendo carga elétrica positiva +2e e energias cinéticas da ordem de alguns MeV), sendo uma espécie de "acelerador" que não precisa ser ligado na tomada.... Em 1911 dois físicos, Geiger e Marsden, fizeram a experiencia que levou outro físico, Rutherford, a propor no mesmo ano o atual modelo do átomo (e a tornar-se instantaneamente um químico, ganhando o premio Nobel de Química). Nela um emissor de "alfas" foi colocado perto de uma folha metálica fina e, medindo as partículas alfa após a interaçã com a folha verificou-se que embora a maioria sofresse uma deflexão pequena algumas poucas eram fortemente "espalhadas" para trás. Rutherford interpretou este fato como a existência de um núcleo pequeno e positivo em torno do qual orbitavam elétrons. Havia no entanto numerosos problemas para compatibilizar as teorias da Física vigente com esse modelo, o que deu um grande impulso à busca de uma nova mecânica, a Quântica, o que demorou cerca de duas décadas.
Outro tipo de partícula rápida que a Natureza nos dá é o raio cósmico, onde partículas atingem a Terra, eventualmente com energias muito superiores à dos aceleradores de maior porte atuais. Uma parte da compreensão atual sobre as partículas usou resultados de medição desses raios cósmicos, como as medidas feitas pelo físico brasileiro Lattes na Bolívia na década de 50.

A Química hoje seria provavelmente descrita como a ciência que estuda os átomos e as moléculas: como reagem uns com os outros, como emitem ou absorvem luz, como se ionizam, perdendo ou ganhando elétrons, etc. Uma "reação química", por exemplo a de combustão quando uma molécula de açúcar e uma de oxigênio reagem dentro de um ser vivo fornecendo energia, é uma "colisão", mesmo que nesse caso as velocidades sejam baixas. Do ponto de vista aplicado diversas técnicas (como o PIXE, o RBS e o Auger) se baseiam na emissão de elétrons ou de raios-X por átomos que foram alvejados por elétrons ou por ions de alta velocidade, obtidos em aceleradores.

Grande parte das informações que temos sobre os átomos e sobre as moléculas vem dessas colisões, feitas de forma controlada. Podemos ter um feixe de luz monocromática atravessando um meio e considerar que as partículas de luz (fótons) colidem com um "alvo" de átomos ou moléculas. Podemos ter uma experiência bem similar, onde ao invés de luz temos feixes de elétrons ou de ions, cada feixe sendo composto por partículas com a mesma energia cinética.

Aceleradores são tambem fundamentais em aplicacões . Os microcircuitos de um computador são fabricados acelerando ions a dezenas de milhares de eV e jogando-os contra uma pastilha de silicio. Estes aceleradores são chamados implantadores e sem eles nao haveria nem a elétronica moderna nem os computadores. Outras aplicacoes existem na Medicina, onde frequentemente aceleradores de elétrons com 20 milhões de eV são usados para irradiar pacientes com cancer (os elétrons destroem o tecido canceroso). Na medicina também são usados para fazer a produção de substâncias radioativas, as quais podem ser usadas para tratar o cancer. Um tubo de raios-X, equipamento usado rotineiramente no diagnóstico mé:dico desde meados deste século XX, é um acelerador de elétrons, que atingem algumas dezenas ou centenas de milhares de eV e incidem sobre uma folha metálica, cujos átomos emitem raios-X.

Mas, como se acelera um elétron, ou um íon ou um átomo? Essencialmente são forcas elétricas que fazem isso, ou diretamente (como no tubo de TV ou no de raios-X) ou indiretamente, quando campos magnéticos variaveis no tempo produzem forcas elétricas (os aceleradores acima de alguns milhoes de eV em geral são desse tipo).

Entre os diferentes tipos de aceleradores temos:
-os "tandems", onde ions negativos são acelerados por um potencial elétrico positivo até um alvo gasoso ou sólido onde perdem elétrons, virando ions positivos e sendo acelerados novamente ( Nosso acelerador na UFRJ é desse tipo, se tivermos por exemplo um feixe de H- e um potencial de 1,7 MV vamos obter um feixe de H+ com 3,4 MeV. No Brasil há outros similares na UFRGS e na USP);
- os Van de Graaff, onde uma esfera é carregada eletricamente até alguns MV e dentro dela se coloca uma fonte de ions, os quais são acelerados (No Brasil há um na PUC/RJ.);
-os lineares, onde um campo magnético variável induz um campo elétrico variável na direção do tubo do acelerador, com o campo eletrico &sendo oscilante, mas com o feixe sendo pulsado, para só percorrer o tubo quando o campo aponta no sentido desejado (No Brasil há aceleradores deste tipo no CBPF, na USP e em muitos hospitais.);
- o ciclotron, onde o íon descreve semicirculos sob a ação de campo magnético, entre esses semicirculos é acelerado por um campo elétrico e, como passa diversas vezes nesse mesma região, um potencial elétrico pequeno resulta numa grande energia final (No Brasil temos aceleradores destes no IEN e no IPEN, respectivamente nas cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo.) e
-os eletrostáticos de baixa voltagem (até algumas centenas de keV) onde um elétron ou um íon é acelerado por um gerador externo (No Brasil são empregados para acelerar elétrons, sendo encontrados na UFRJ e na UFSCar. Além desses aceleradores, obviamente temos todos os tubos de raios-x, todos os aparelhos de TV e todos os monitores de vídeo de computadores, formalmente aceleradores mas que são empregados para finalidades outras que não a pesquisa...)
Temos também o sincrotron de radiação onde elétrons são acelerados a energias da ordem de GeV e, como percorrem trajetórias curvas, emitem fortemente luz polarizada, monocromática e de alta frequência. Estes aceleradores no entanto não são usados para colidir as partículas aceleradas com um "alvo" mas sim para fazer interagir essa "luz sincrotron" com alvos. (No Brasil temos o Laboratório Nacional dfe Luz Sincrotron, em Campinas.).
Referências:
1) o site http://www.coimbra.lip.pt/atlas/acelerad2.htm e os consecutivos (aparece uma seta para direita ao fim do texto).
2) o site Google (ou qualquer outro da compilação de de sites de busca), usando as palavras "acelerador de partículas" ou "particle accelerator". Vão aparecer muitos "sites", a maioria descartável após uma olhada rápida, mas alguns interessantes.

3) Se tiver acesso a livros de Física Nuclear, eles tem uma seção em que discute aceleradores.
Estou planejando colocar diversos textos didáticos na nossa página. Qualquer comentário, pergunta ou sugestão, sobre este texto ou sobre algum assunto correlato que desejaria ver discutido, favor entrar em contato comigo: L.F.S. Coelho.



** Disponivel: http://omnis.if.ufrj.br/~fatomica/acelera.html